VOCÊ TEM DIFICULDADE EM ADMITIR SEUS ERROS? - Psicanalista Sandro Cavallote
17366
post-template-default,single,single-post,postid-17366,single-format-standard,bridge-core-2.6.4,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,no_animation_on_touch,qode-title-hidden,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-26.4,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.6.0,vc_responsive

VOCÊ TEM DIFICULDADE EM ADMITIR SEUS ERROS?

Premissa básica para uma constituição social humanizada, aprender com os erros é algo que ouvimos desde muito cedo, desde conselhos pouco efetivos, lições escolares até no aprendizado via cultura pop.

Mas quanto desse aprendizado nos resta a partir do momento em que somos conduzidos a uma relação competitiva ainda quando crianças, até em nosso ambiente familiar?

Mais ainda: e quando somos ensinados desde cedo de que admitir um erro é um sinal de fraqueza, vergonha ou ignorância?

Muito desse comportamento parte da premissa de que nossas crenças, geralmente impostas pela família, religião, educação ou sociedade são imutáveis e sem falhas. O que eu sei é o que é. O diferente está errado.

Essa falta de escuta para o que podem ser novas possibilidades fecha portas para o aprendizado, a comparação positiva, o conhecimento de si e, principalmente, da curiosidade relativa ao mundo.

Quanto mais fazemos isso, mais nos enclausuramos em nossa bolha, perdendo oportunidades de novos olhares, mudanças de comportamento e, principalmente, conexões. A constante (e cansativa) negação do equívoco.

E essa estrutura torna-se seu modus operandi. “Eu não falho. Você falha.”

Porque, por trás desse raciocínio, há o medo do julgamento.

“O que vão pensar de mim se eu admitir? Que sou fraco?”

Esse comportamento leva a vários processos de dor e frustração, pelo simples fato de que temos uma necessidade intrínseca de aprender, inclusive com os erros. Casos mais complexos levam à busca constante da fantasia da perfeição.

Aprender a admitir seus erros não é uma tarefa simples e rápida, pois tira a pessoa de sua bolha confortável. Arriscar e correr riscos nos levam a novas experiências.

Associar uma falha pessoal à oportunidade de conhecimento (inclusive sobre si próprio) é libertador e nos torna mais agradecidos.

Ninguém é infalível. E ter consciência disso é ter uma melhor visão de seus limites e gera oportunidades de relacionamentos mais confiáveis, sinceros e honestos.

Aprender com os erros é a compreensão de que assumir responsabilidades faz parte do processo evolutivo. É sentir prazer muito mais na competição do que na vitória em si.

A humildade ajuda a conhecer melhor nossas qualidades e defeitos.

AGENDE UMA PRIMEIRA SESSÃO SEM COMPROMISSO. CLIQUE AQUI.



Abrir Chat
Posso ajudar?