UMA NOITE DE 12 ANOS - Psicanalista Sandro Cavallote
17352
post-template-default,single,single-post,postid-17352,single-format-standard,bridge-core-2.6.4,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,no_animation_on_touch,qode-title-hidden,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-26.4,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.6.0,vc_responsive

UMA NOITE DE 12 ANOS

O conceito da História é interessante e muito complexo de ser visualizado em um formato presente. Olhamos como passado, como estrutura de estudo de algo que já ocorreu e que, teoricamente, deveríamos aprender para que erros e tragédias possam ser evitadas.

Mas História não é apenas passado, é também presente. Muito além de um conceito temporal, acordar para a realidade de que a História está se revelando o tempo todo é muito mais temeroso do que parece. E assusta, gera temores e desvios emocionais dos mais diversos tipos. Uma forma de não querer observar a realidade é o constante estado de fuga. Algumas pessoas preferem não olhar para o que está acontecendo, outras preferem realidades paralelas sem fundamentação nenhuma.

E para os que acompanham os acontecimentos em real time, há muito a se preocupar. Estamos sendo testados a todo momento pelo atual Governo. O flerte com um novo golpe, o perigo do revisionismo histórico e da relativização da ditadura militar, o municiamento das milícias, o controle de dados para interesses próprios, a mentira institucionalizada através de fake news. O discurso de ódio está aí diariamente para nos mostrar que, caso não seja acompanhado com muita atenção e disposição para interpelações das mais variadas, a democracia pode ser tirada de nós de um dia para outro, literalmente.

E dentro deste contexto precisamos ter exemplos e referências históricas o tempo todo. Assim como o Brasil, o Uruguai passou por uma ditadura há muito pouco tempo e ainda luta para se recuperar. O filme “Uma noite de 12 anos” tem foco verídico em 3 presos políticos ao longo dos 12 anos, onde eles eram torturados física e emocionalmente, além de ficarem completamente alheios à sociedade e família.

12 anos. Sem contato algum.

A experiência de restrição está relacionada ao fim do direito individual de escolha. Valores humanos não são negociáveis. O sentir é parte do ser. O viver, imprescindível.

Você lembra onde estava 12 anos atrás? Você gostaria de ser privado de toda a experiência durante este tempo, enclausurado e sem contatos? E o quanto isso afetaria suas relações?

(No Netflix)



Abrir Chat
Posso ajudar?