Quanto mais você é, menos precisa dizer que é - Psicanalista Sandro Cavallote
17732
post-template-default,single,single-post,postid-17732,single-format-standard,bridge-core-2.6.4,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,no_animation_on_touch,qode-title-hidden,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-26.4,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.6.0,vc_responsive

Quanto mais você é, menos precisa dizer que é

Analisandos de primeira viagem, aqueles que se atrevem a procurar suporte na terapia analítica, estranham-se. Na fala livre, tudo pode. E a liberdade traz estranheza, porque no hábito nos esquecemos de quem somos.

Tudo é pré-formatado. Tudo é fórmula. As caixinhas estão postas e só precisamos fazer o que nos dizem que é o mais correto. Quem diz? A família. A sociedade. A mídia. Os pais.

Mas e se eu quiser uma nova caixa, um novo formato de encaixe? Não, é “mais fácil” a adequação. Já está ali a jornada do outro. A estrada delineada. O caminho do farelo de pão, dos tijolos amarelos. Mas o que é do Outro é meu? O incômodo aparece, empurro lá pra baixo. “Não vou pensar nisso”. E décadas se passam.

Mas há algo ali. O “incômodo” é real, ele é parte de você.

Em análise, não há escapatória. Você vai se encarar. E pode não gostar, porque não se percebe em seu Desejo.

– “Quem é esse?”, se pergunta.

– “Serei eu? Eu posso?”

Sim, você pode. Se permitir-se.

Doi na alma?

Comecemos.



Abrir Chat
Posso ajudar?