Provocar um sentimento para interoromper um sentimento - Psicanalista Sandro Cavallote
17642
post-template-default,single,single-post,postid-17642,single-format-standard,bridge-core-2.6.4,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-26.4,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.6.0,vc_responsive

Provocar um sentimento para interoromper um sentimento

Quantas vezes buscamos sentir algo para deixar de sentir algo?

Fazer uma substituição que nos causa angústia por algo que, talvez, nos faça deixar de sentir tal angústia?

Talvez, o mais conhecido: “não vou/quero mais pensar sobre isso.”

Quando interrompemos qualquer tipo de afeto, seja ele um sentimento, emoção, tristeza, dor, prazer, desprazer, insatisfação, entre outros, perdemos a oportunidade de experienciar tudo o que ele pode nos oferecer para que possamos lidar com ele novamente, caso isso aconteça.

Esse processo parte de um desenvolvimento humano de aceitação, do que se é, do que se tem naquele momento, do que se precisa compreender sobre si para dar melhores próximos passos, por mais doloroso que seja.

Aceitar-se passar por esta frustração, por tal angústia, também nos ensina a estruturar melhor como passar por momentos que não se pode fugir, como o luto, por exemplo. Tentar substituir um sentimento por outro, reprimir seus afetos tentando evitar enfrentá-los, trará consequências no futuro relacionados à autoestima, sociabilidade, inclusão e pode até gerar emoções sem direcionamento direto, como agressividade, pânico, frustração e até depressão.

Lidar com seus afetos, sentimentos e emoções é básico para a melhoria na qualidade de vida.



Abrir Chat
Posso ajudar?