lupa da alma - Psicanalista Sandro Cavallote
17411
post-template-default,single,single-post,postid-17411,single-format-standard,bridge-core-2.6.4,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,no_animation_on_touch,qode-title-hidden,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-26.4,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.6.0,vc_responsive

lupa da alma

Mesmo com esses absurdos perpetrados pelo atual governo, devemos olhar para a frente.
 
O “voltar ao que era” não existe. A pandemia nos trouxe a um ponto de transformação e quanto mais cedo aceitarmos isso, mais podemos focar no que realmente importa.
 
Não há “novo normal”, há o futuro. Nosso modelo atual não comporta mais. Usufruimos demais do que nos foi oferecido e chegamos naquele momento de inflexão irreversível em que precisamos olhar para dentro de cada um para alcançar a extensão do outro.
 
O conservadorismo atrasa o processo evolutivo. Precisamos de novos olhares, novos pontos de vista, novas formas de olhar o singular e, posteriormente, o todo.
 
Mudar é doloroso em todos os sentidos. Mas desviar o olhar para a realidade que nos circunda na atualidade é recalcar, e sabemos muito bem o que acontece com o recalque, não?
 
Pensando desta forma, começo um processo de leituras visando o pós. E já há material que pode ser trabalhado para esta nova visão. Olhar para o caos de desconstrução que está sendo apresentado em tempo real pode ser uma tentativa de enfrentamento, mesmo que o medo esteja presente.
 
Um dele é “Lupa da Alma”, de Maria Homem. Escrito durante 2020, tem a efervescência da informalidade, quase como um diário, mas recheado de afetos individuais e coletivos, apontando para o subjetivo e para o social para elaborar contextos, insights, relações, conexões e o luto. Além de um registro praticamente orgânico do viver a pandemia, um sopro de boas ideias, visões e realidade à flor da pele em sua “Quarentena-revelação”.
 
Recomendadíssimo.



Abrir Chat
Posso ajudar?