Karnak - Alma não tem cor - Psicanalista Sandro Cavallote
17219
post-template-default,single,single-post,postid-17219,single-format-standard,bridge-core-2.6.4,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,no_animation_on_touch,qode-title-hidden,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-26.4,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.6.0,vc_responsive

Karnak – Alma não tem cor

Karnak / Alma não tem cor
(Álbum “Karnak” / 1995)

O Karnak é indefinível por natureza. É plural em sua singularidade. Assim como o André Abujamra, assim como seu pai antes dele. É música pra ser sentida, ser apreciada.

“Alma não tem cor” é a primeira música de um álbum fabuloso, que faz com que você viaje por vários lugares, ouça várias línguas e, talvez, ouça sua própria voz. Na verdade, o álbum todo pode falar com e sobre você. E que sensação boa!

 A alma é colorida. Ela é multicolor.

“Alma não tem cor
Porque eu sou branco
Alma não tem cor
Porque eu sou negro
Branquinho, neguinho
Branco, negon
Alma não tem cor
Porque eu sou branco
Alma não tem cor
Porque eu sou jorge mautner
Percebam que a alma não tem cor
Ela é colorida
Ela é multicolor
Azul, amarelo, verde, verdinho, marrom
Cê conhece tudo, cê conhece o reggae
Cê conhece tudo né, cê só não se conhece”

(Se não conhece a música, a coloquei em meu canal no Youtube. Link na bio.)

Sinta-se à vontade para indicar nos comentários músicas que façam você sentir.



Abrir Chat
Posso ajudar?