JO JO RABBIT - Psicanalista Sandro Cavallote
17337
post-template-default,single,single-post,postid-17337,single-format-standard,bridge-core-2.6.4,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,no_animation_on_touch,qode-title-hidden,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-26.4,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.6.0,vc_responsive

JO JO RABBIT

“JoJo Rabbit” tem uma premissa nada simples: durante a Segunda Guerra Mundial, um garoto alemão descobre que sua mãe está escondendo uma judia em sua casa. E a única pessoa com a qual ele pode contar é seu amigo imaginário: Adolf Hitler.


Estamos em uma época de nacionalismo latente no mundo, e há muitos documentos falando sobre o assunto. Mas também estamos em um momento da história em que a criação de narrativas e fake news podem confundir. E muito.

O filme fala do nazismo de uma forma satirizada, mas nunca sem perder a essência e a importância do tema. O cenário de horror mostrado pelos olhos de uma criança cria uma sensação de ironia, tristeza e melancolia, mas nunca deixando de lado a delicadeza da mudança, da esperança e todo seu processo de amadurecimento.

A visão única das disputas bélicas, da insensatez envolvida nos cenários de guerra, do desprezo pela humanidade nos coloca para refletir sobre quem somos e, principalmente, que papel temos na perpetuação deste comportamento.

Dirigido com extremo bom gosto, com uma sutileza importantíssima para a forma que se propõe, nos traz reflexões únicas em um tema que saturado, mas que precisa ser revisitado de tempos em tempos.

JoJo Rabbit / 2019
Dir. Taika Waititi



Abrir Chat
Posso ajudar?