EU, DANIEL BLAKE - Psicanalista Sandro Cavallote
17402
post-template-default,single,single-post,postid-17402,single-format-standard,bridge-core-2.6.4,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,no_animation_on_touch,qode-title-hidden,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-26.4,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.6.0,vc_responsive

EU, DANIEL BLAKE

Ainda seguindo na linha da fantasia criada sobre outros países serem perfeitos, seria impossível não pontuar “Eu, Daniel Blake”.
 
O filme faz críticas severas e muito bem embasadas ao globalismo, expondo o processo de precarização ao qual estamos submetidos na sociedade atual. Fala sobre a perda de direitos sociais, levando as pessoas a níveis impossíveis de sobrevivência relacionados a empregos, saúde, cultura e comportamento.
 
Uma visão direta, crua e realista de um mundo que deu errado, sobre os males da meritocracia, burocracia, capitalismo e foco no consumo desenfreado.
 
Obrigatório.
 
No Netflix.



Abrir Chat
Posso ajudar?