Chico Buarque - Construção - Psicanalista Sandro Cavallote
17207
post-template-default,single,single-post,postid-17207,single-format-standard,bridge-core-2.6.4,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,no_animation_on_touch,qode-title-hidden,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-26.4,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.6.0,vc_responsive

Chico Buarque – Construção

Esta música fala por si só. Espero que também fale com e por você.

Buscar referências na História, artes, cultura, design, dança, música, comunicação, entre outros, podem trazer várias questões que você tem à tona. A linguagem não é uma linha reta, ela precisa de conexões.

Aliás, este disco todo (chamado Construção) pode falar muito com e sobre várias coisas.

(Se não conhece a música, a coloquei em meu canal no Youtube com legendas. Link na bio.)

Sinta-se à vontade para indicar nos comentários músicas que façam você sentir.

_
“Construção”

Amou daquela vez como se fosse a última
Beijou sua mulher como se fosse a última
E cada filho seu como se fosse o único

E atravessou a rua com seu passo tímido
Subiu a construção como se fosse máquina
Ergueu no patamar quatro paredes sólidas
Tijolo com tijolo num desenho mágico

Seus olhos embotados de cimento e lágrima
Sentou pra descansar como se fosse sábado
Comeu feijão com arroz como se fosse um príncipe
Bebeu e soluçou como se fosse um náufrago

Dançou e gargalhou como se ouvisse música
E tropeçou no céu como se fosse um bêbado
E flutuou no ar como se fosse um pássaro
E se acabou no chão feito um pacote flácido

Agonizou no meio do passeio público
Morreu na contramão atrapalhando o tráfego
Amou daquela vez como se fosse o último
Beijou sua mulher como se…



Abrir Chat
Posso ajudar?