cada dor é singular - Psicanalista Sandro Cavallote
17372
post-template-default,single,single-post,postid-17372,single-format-standard,bridge-core-2.6.4,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,no_animation_on_touch,qode-title-hidden,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-26.4,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.6.0,vc_responsive

cada dor é singular

Mais do que nunca, devemos continuar repetindo sobre a necessidade da empatia.

Nunca se imagina que em um momento histórico da nossa existência, a dor que não é nossa seria tão menosprezada, ignorada e, pasmem, motivo de riso. O tal “mimimi” que demonstra muito mais falhas de caráter dos proferidores do que de seus alvos.

Quando a ferida do próximo não alerta, não causa uma necessidade de extender a mão, de oferecer afeto, mesmo que simbólico, há que se observar em que tipo de sociedade queremos viver.

Cada dor é uma dor. Cada luto é um luto. Cada vida é uma vida.

A sensibilidade ao sofrimento alheio precisa ser inerente ao nosso ser. Somos humanos, somos seres de conexões, relacionamentos e troca. Independente do grau, do objeto, das circunstâncias, somos seres que amam. Deixar isso de lado dentro de uma pandemia foge de nossa humanidade e denota faltas e vazios de si.

A continuidade de nossa existência parte da premissa de respeitar a dor do outro, independente das dimensões. Pois cada um de nós é singular, assim como nossas dores.

Não normalize o discurso analfabeto de sensibilidade, que foca no ódio e na devastação. Estamos em um momento pandêmico, onde estão sendo ceifadas quase 2000 mortes, que são diminuídas por um governo inepto, insensível e que usa de artifícios imorais para motivar seus seguidores cegos.

Cabe aqui a autocrítica individual: menosprezar um evento global que subtrai milhares de vidas diariamente, ou compreender sua responsabilidade na dor do próximo como efeito solucionador?

A dor do outro pode ser a sua dor. Respeite-a.



Abrir Chat
Posso ajudar?